Estranha e Linda
Capital Inicial

Estranha e Linda
Largada ali para morrer
Mas, não morre, não
Na enfermaria
Parece viva
Não, não morre, não
Eu espero
Sem saber se pode ver
Eu estender a mão
Suor gelado
Lágrimas amargas
Vertidas na escuridão
Sob medida
Tudo o que você queria
Agora não te serve mais
Olho no olho
Você esconde o rosto
Eu conheço os sinais
Sem controle
O desgosto do engano
Foi demais, vai saber
Estranha e linda
Deu um abraço no vazio
Tá na hora de saltar
Cheia de vida
Cheia de vida
O que você quer
Não cheira nem brilha
Cheia de vida
Cheia de vida
O que você quer
Mas ainda duvida.