Cervejaria da Trindade
Vitorino

Por uns santos trinitários
Foi fundada esta abadia
Depois maçons libertários
Fizeram da noite o dia

Um eléctrico doente
De amarelo-sulfamidas
Avança com grandes dentes
E propósitos suicidas

Pela calçada sebenta
De gasolina barata
Pneumático e arrabenta
Um alfarrabista escapa

Ao som dos quatro elementos
Água terra fogo e ar
E velhos jornais cinzentos
Começam a navegar

Com a cultura nas velas
Um barril a estibordo
Com cotão nas entretelas
Velhas histórias a bordo

Aqui de quatro canecas
Dez reputações se fazem
É o espírito em cuecas
Que os terramotos arrasem

Como o que arrasou o Carmo
Benedictino e ogival
Desgraças, sabiás e fado:
Tremoços de Portugal