Fado Isabel
Vitorino

Que dia tão mais noite que esta noite
onde a lua de Outubro amanhecia
que dia tão mais noite que esta noite
que noite tão mais dia que este dia

que abraço como o traço de um açoite
marcado a sangrar na carne fria
que dia tão mais noite que esta noite
a raiva que de ti me despedia

ó meu amor que noite tão de noite
como a noite que em nós de noite havia
era de noite e foi de noite

que a lua em mim nascida em ti morria
que a noite tão mais noite que esta noite
que dia tão mais dia que este dia