Levantar Ferros
Vitorino

A grande Nau Catrineta
A grande Nau Catrineta
Tem os seus mastros de pinho
Olé, olé, olé,

Marujinho bate o pé
O ladrão do dispenseiro
Furtou a ração do vinho
Olé, olé, olé,

Todos sabem o que é
Para a nau ficar a nado
Abrem-se as portas ao dique
Olé, olé, olé,

Venham todos para a ré
Quando as gáveas vão nos rizes
Ala, ala talha os lais
Olé, olé, olé,

Cada qual mostra o que é
Sobem dois a imprimir
A rizar sobem os mais
Olé, olé, olé

Moçambique, S. Tomé
Quando o barco faz cabeça
Venham todos iça a giba
Olé, olé, olé

Quem é mouro não tem fé
Quando ele arrana o ferro
Vira então e leva arriba
Olé, olé, olé,

Vá depressa que é maré
Quando entra o quarto d´alva
Marujinho mata o bicho
Olé, olé, olé,

Vê se foges, passa o pé
Antes de lavar o convés
Varre o moço apanha o lixo
Olé, olé, olé,

Quem te dá amigo é
Todo o moço quando serve
Caça a isca na bandeja
Olé, olé, olé,

Muito preto tem Guiné
Inda está para nascer
A mulher que me enganar
Olé, olé, olé,

Já é dia põe-te a pé
O marujo quando morre
Vai para o fundo do mar
Olé, olé, olé,

Assim mesmo é que é.